Espalhe por Whatsapp

Qual caminho a NBA deve seguir? Moral ou Financeiro?

Raphael Philipe
Raphael Philipe

O recente incidente entre NBA e o poderoso mercado consumidor chinês gerou esse questionamento. Depois das declarações do gerente geral do Houston Rockets, Daryl Morey, sobre os atos intervencionistas chineses na autonomia de Hong Kong a franquia e a própria liga poderá perder seu principal parceiro financeiro da atualidade, que teve o contrato de transmissão recentemente renovado.

A NBA está num período de manutenção do seu mercado, a 3ª principal liga de esportes americanos, se deparam com um distanciamento cada vez maior dos seus rivais. A NFL a cada ano que passa se mantem mais segura como a número um em rentabilidade, onde podemos levar em conta em ser uma liga com aproximadamente metade da duração (por temporada) da NBA.

O posicionamento do gerente geral do Houston vai de encontro com a lógica de mercado americana, sendo que o próprio alegou que sua declaração foi pessoal e não representa a franquia ou a liga, mesmo assim reflexos foram rapidamente sentidos, já que os amistosos de pré-temporada do Houston na China foram suspensos.

Morey foi duramente criticado por políticos americanos, tanto do partido republicano quanto do democrata, Ted Cruz, senador republicano pelo Texas, escreveu: “Em busca de dinheiro, a NBA está vergonhosamente dando para trás”. Já Beto O’Rourke, adversário de Cruz na última eleição ao senado e pré-candidato democrata à presidência, disse que “a única coisa pela qual a NBA deveria pedir desculpas é por priorizar lucro em vez de direitos humanos”.

Esse assunto está em grande repercussão nos EUA, até o famoso desenho SOUTH PARK entrou na questão, já que o mesmo sofreu duras repressões do governo chinês.²

Essa questão não pode ser analisada por um único prisma, já que temos um problema histórico em todo o processo, uma análise mais aprofundada pode ser feita, pois como o atual dono do Brooklyn Nets Joseph Tsai, bilionário nascido em Taiwan, disse:

Qual o problema das pessoas expressarem livremente sua opinião? Essa liberdade é inerente aos valores americanos e a NBA tem sido muito progressiva em permitir aos atletas e outros participantes uma plataforma para se manifestar sobre questões. O problema é que existem certos tópicos que são intocáveis em certos países, sociedades e comunidades

Críticos do posicionamento chinês devem levar em conta todo o processo de histórico de formação da atual China, onde teve sua soberania duramente atacada ao longo do tempo, desde de a Guerra do Ópio até o controle nipônico à Pequim, essa é uma questão muito sensível ao povo chinês, e estamos falando de 1,4 bilhões de pessoas que provavelmente nutrem um sentimento de nacionalismo e territorialidade, algo bem natural para os norte americanos, mesmo com um histórico repleto de incoerências nesses discursos.

Finalizando, pela lógica de mercado a NBA jamais poderá desprezar um mercado tão rico, mas o fato é que o problema já foi criado, e as feridas geradas podem ser um duro golpe para liga que busca recuperar seus anos de glória comercial do final da década de 90 onde seu projeto expansionista ficou no papel, e regrediu no século XXI.

Decidir entre defender o “way of life” americano ou sua ampliação mundial será a grande questão que a liga terá que resolver depois desse incidente.

Contribuição: Hevelyn Lima

--

Artigos relacionados:

1. https://veja.abril.com.br/esporte/nba-entra-em-crise-diplomatica-com-china-apos-dirigente-apoiar-hong-kong/

2. https://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2019/10/08/criadores-de-south-park-pedem-desculpas-ironicas-a-china-apos-polemica-sobre-episodios.ghtml

Dá um play e confira o que rola no nosso som!