Espalhe por Whatsapp

O astro do Rap Dave East, poderia ser uma estrela da NBA, seus colegas na AAU incluíam Kevin Durant e Michael Beasley

Thiago Lucas
Thiago Lucas

Não mais do que cinco minutos depois de entrar no histórico 'Ginásio dos Gauchos', no Bronx, Dave East já se sente em casa. Ele tira um moleton preto para revelar uma camiseta nº 45 de Michael Jordan que está usando. East se levanta das arquibancadas e pega uma bola, ele caminha até a linha de lances livres e arremessa. Swish! Ele pisa alguns metros atrás, atrás dde linha de três pontos, arremessa de novo. Swish! Alguns dribles, uma enterrada, e você fica maravilhado com a forma de como algumas pessoas são simplesmente muito boas nas coisas, múltiplas coisas.

Esse é certamente o caso de Dave East. Esses poucos minutos dão uma idéia das habilidades que o levaram a se tornar companheiro de equipe na AAU, de atletas como Kevin Durant e Michael Beasley, e mais tarde lhe valeram uma bolsa na Divisão I. Porém, ouça seu álbum mais recente, "Paranoia 2", e você perceberá a mesma coisa que Nas e a Def Jam perceberam: que sua segunda carreira é, de alguma forma, ainda mais promissora do que a primeira. E, no entanto, houve um tempo - a maior parte de sua vida, na verdade -, onde o Rap não estava nem estava nos planos.

Ele me disse que trouxe uma bola de basquete para o hospital quando eu nasci. E meu amor por isso simplesmente veio.

Nascido David Brewster no East Harlem - é de onde vem o apelido Dave East - o agora com 28 anos tinha o jogo em sua alma através da natureza e da educação. "Ele foi a introdução ao basquete para mim", diz East sobre seu pai, que jogara uma temporada de exibição com o New York Nets da ABA. “Ele me disse que trouxe uma bola de basquete para o hospital quando eu nasci. E meu amor por isso simplesmente veio”.

Enquanto seu amor por aros estava sendo incubado dentro da casa, Dave estava aperfeiçoando seu jogo fora dele. Ele cresceu em Nova York idolatrando jogadores como Allen Iverson e Penny Hardaway. "Eu jogaria bola o verão inteiro e, quando a temporada começasse, teria alguns problemas ou algo aconteceria", lembra ele. Esse foi o ano de calouro, quando ele dividiu o tempo entre o Centro Manhattan para Ciências e Matemática e a Long Island City High School, onde brincadeiras fora das quadras minaram qualquer possível avanço no basquete.

Então, Dave, por sugestão de seu pai, mudou-se para Maryland no seu segundo ano para morar com sua meia-irmã. O impacto - de viver em um novo local, bem como o fato de que ele finalmente foi capaz de pisar na quadra - foi sentido imediatamente.

Durante o seu segundo ano na Springbrook HS em Silver Spring, MD, East contribuiu para uma equipe que perdeu o jogo do campeonato estadual de Classe 4A em um salto de último segundo para a atual Northwestern High da NBAer Jeff Green. "Foi muito mais lento lá", diz ele sobre a transição da Big Apple para sua nova casa. "Não havia nada para fazer. Então eu estava indo para a academia. Eu realmente tive tempo para acertar meu jogo.”

Esse foco começou a pagar dividendos em particular durante seu primeiro ano, depois que ele subiu de 6-1 para 6-5 no verão antes do 11º ano. Ele marcou 50 em um jogo. Ele começou a receber cartas de recrutamento de grandes programas como Georgetown e St. John's. Dave foi nomeado para o primeiro de duas menções honrosas All-Met consecutivas pelo Washington Post. Ele começou jogando em uma série de esquadrões da AAU - DC Assault, DC Blue Devils e NOVA United - onde seus colegas de equipe incluíram futuros astros da NBA como Durant, Beasley, Greys Vasquez, Nolan Smith e NaVorro Bowman. Até então, seus olhos estavam fixos na Liga.

"Nós tínhamos muito talento nesse time, e Dave era um grande companheiro de equipe", diz Smith, que jogou com East em um time de DC, foi uma estrela em Duke e jogou para o Portland Trail Blazers antes de retornar ao Blue Devils como assistente nesta temporada. “Ele se encaixa bem com a gente. Ele foi duro, competiu, fez tudo para se adequar ao nosso time.”

Desculpe o meu francês, mas o filho da puta sabe marcar. Michael Beasley

Eddie Lee Jackson, que treinou Dave East com o NOVA United, lembrou uma facilidade semelhante de ajuste, mesmo em uma situação diferente: O time tinha talento, mas não uma lista de futuros jogadores da NBA. "No primeiro torneio que ele jogou conosco, nós tivemos uma equipe que esteve junta por uns três anos, e este foi o último verão juntos, e é difícil quando você traz novos caras", diz Jackson. "Ele era o garoto que nós trouxemos. Nós não começamos com ele no primeiro jogo, porque nós não sabíamos como ele iria se entreter ou jogar." E ele entrou e estava jogando bola, ele se encaixou muito bem e os caras o amavam. Ele era altruísta; obviamente ele era bom. Então começamos o segundo semestre e o resto do caminho.

"Desculpe o meu francês, mas o filho da puta sabe marcar", diz Beasley, que também jogou com Dave East no DC Assault. “Fora da quadra ele conversaria com você. Na quadra, ele é um daqueles que vai te dar a mesma expressão facial, seja com 20pontos de vantagem ou abaixo de 20; se ele tem 40 ou se ele perdeu 20 arremessos. Você não sabe o que está se passando na cabeça dele. Ele é um daqueles assassinos silenciosos".

Depois de uma temporada sénior em que levou Springbrook a um recorde de 18-6, com médias de 19,5 pontos e 6 rebotes por jogo, East inscreveu-se na Universidade de Richmond, no Atlantic 10, na Virgínia. Mas a situação rapidamente azedou. “Foram constantes os confrontos toda a temporada [com a equipe de treinadores]”, lembra ele. "Isso estava me tirando o foco no meu próprio jogo, o que me levou a não querer ir para a aula, o que me levou a ser inelegível."

Ele foi expulso e voltou para Nova York, onde teve aulas on-line e jogou em ligas do Hunter College para Dyckman, com a intenção de obter suas notas. E embora ele não tenha percebido isso na época, havia um lado positivo para uma experiência esquecível em Richmond. "Uma vez que cheguei a Richmond, eu estaria no Rap, estaria no ônibus [batendo]", diz ele, enfatizando que estava estritamente "brincando" e via a si mesmo como um jogador de basquete em primeiro lugar - e só. Mas as respostas que ele recebeu dos companheiros ajudaram a plantar uma semente que mais tarde brotaria.

Dave acabou na Universidade de Towson, em Baltimore, onde ele foi um colaborador e iniciante no segundo ano, anotando mais de 20 pontos em vários jogos. Mas os problemas fora das quadras persistiram. "O foco dessa equipe não estava lá", lembra Dave. “Nós estávamos perdendo. Então isso meio que me deu um gosto ruim, a ponto de eu ficar tipo: 'cara, isso pode não funcionar. Eu coloquei tanto nisso.' Para que um treinador me diga: 'Não precisamos de você. Posso encontrar alguém da sua altura, que possa atirar tão bem quanto você, correr tão rápido quanto você'. Eu tive que entender que é um negócio - isso meio que enfraqueceu o amor que eu tinha pelo basquete.”

Eu comecei a ganhar dinheiro, alguma atividade ilegal. Eu não me importava mais com bola

Após seu último período com a equipe em outubro de 2009, ele alcançou um ponto baixo. "[Por] três anos eu não toquei em uma bola", diz ele. “Eu comecei a ganhar dinheiro, alguma atividade ilegal. Eu não me importava mais com bola". Não muito tempo depois, East foi preso, trancado e confinado em uma cela, enquanto muitos de seus colegas e oponentes do ensino médio - caras como KD, Lawson, Beasley, Smith e Green - já estavam na Liga.

Depois de cumprir seis meses, ele saiu e decidiu focar na música. Ele lançou sua primeira mixtape, apropriadamente intitulada "Change of Plans" (Mudança de Planos), em 2010. E teve um velho amigo dos tempos de basquete que ficou impressionado com sua mixtapede estreia: KD.

"KD estava tipo, 'Ei, você está fazendo Rap? Isso é loucura'!". Lembra Dave. “Ele ficou empolgado: 'Eu tenho um estúdio em casa. Fique a vontade sempre que você quiser vir aqui, vou me certificar de que você saia daqui com uma bom material". E assim, East estava em um avião para a OKC, onde ficou com Durant por uma semana e meia para gravar sua mixtape de 2011, "American Greed". A experiência teve um profundo impacto em sua visão.

"Então foi quando eu realmente me prendi a música. Eu sabia que o basquete era passado. Deixe-me ser o melhor artista que posso ser. A próxima coisa que eu soube, era que Nas - um dos maiores rappers de todos os tempos - estava me chamando".

Houve alguns anos e mixtapes entre a gravação com KD e a ligação com Nas, mas em 2014, East assinou com a Mass Appeal Records da lenda do Hip Hop. Com um novo conjunto de olhos e ouvidos em sua carreira, ele lançou uma série de álbuns bem recebidos - "Black Rose" e "Straight Outta Harlem" em 2014, o elogiado "Hate Me Now" em 2015 - e trabalhou com Nas, Jadakiss, Styles P, Pusha T, Fabolous e muito mais.

Dave se consolidou ao longo de 2016 com um lugar na capa do XXL Freshman Class, um verso de freestyle durante uma cypher no BET Hip Hop Awards, uma aparição de destaque ao lado de Nas e Lin-Manuel Miranda em “Wrote My Way Out”, do The Hamilton Mixtape, o lançamento de seu melhor projeto até hoje, "Kairi Chanel", com participações de artistas do calibre de 2 Chainz, The Game e Cam'ron e assinando com Def Jam. Já pela nova gravadora lançou em 2017 o EP "Paranoia: a True Story" e em janeiro deste ano o já citado "Paranoia 2".

É uma reinvenção que chamou a atenção de todos, incluindo velhos amigos, como Beasley, que disse que teve o lançamento mais recente de East em repetição por meses, mas não acreditou rapidamente que o rapper em ascensão era o antigo companheiro dos tempos da AAu. "Toda vez que eu o vejo [em vídeos], eu digo: 'Dave East? aquele filho da mãe parece com o David Brewster', diz Beas com uma risada. “Ele está dando para você o que você quer, como você precisa, o som certo, as batidas certas. Devo dizer que ele é um verdadeiro MC. Fico feliz em dizer que o conheço.”

A notícia trouxe uma luz similar a Jackson. "Eu sorri, eu estava feliz", diz o treinador quando ele ouviu pela primeira vez que seu ex-jogador estava se estabelecendo na indústria da música. "Eu baixei algumas músicas para ver o que ele estava falando, e fiquei feliz que ele está sendo bem sucedido."

Anos depois de seus sonhos de aro se esvaziarem, Dave East agora está brilhando para o mundo todo ver - só que não no caminho que ele achava que faria. E ele está bem com isso. “Eu costumava amar ver todo o ginásio estar lá para assistir eu acertando todos aqueles arremessos. Agora, eu amo quando o show está esgotado e assim que eu saio, eles ficam loucos. Se você perguntar a qualquer jogador da NBA, eles querem ser rappers. Se você perguntar aos rappers, eles querem ser jogadores da NBA. Para mim ter os dois, e ser capaz de quase chegar a um, mas depois chegar ao outro... Eu não tenho reclamações".

Dá um play e confira o que rola no nosso som!