Espalhe por Whatsapp

É dessa forma que Kevin Durant quer homenagear Kobe Bryant nas Olimpíadas

Renato Campos
Renato Campos
10 de Julho

Kevin Durant viu sua temporada 2020-21 chegando ao fim mais cedo do que ele gostaria, mas ele tem uma segunda chance de um título este ano quando a equipe dos EUA vai para Tóquio disputar as Olimpíadas.

Durant é o principal nome de um grupo repleto de estrelas de jogadores americanos que disputarão o ouro nos Jogos Olímpicos. A estrela do Nets disse que ele e o resto da equipe dos EUA têm alguma motivação extra nas Olimpíadas deste ano por causa do falecimento da lenda da NBA, Kobe Bryant.

Durant planeja homenagear Kobe nas Olimpíadas

Durant, como o resto do mundo do basquete, foi devastado pela morte prematura de Kobe Bryant em 20 de janeiro de 2020.

“É difícil compreender tudo isso”, disse Durant alguns dias depois, por meio de Malika Andrews da ESPN. “Só de ter aqueles momentos com Kobe, sempre foi sobre seguir em frente e neste momento é tão difícil. É difícil continuar agora ... Eu sei que estamos todos apenas de luto. ”

Na sexta-feira, quase 18 meses após o acidente de helicóptero que matou Kobe aos 41, junto com sua filha de 13 anos, Gianna e outras sete pessoas, Durant disse que planeja homenagear o ícone do Lakers em Tóquio.

“Kobe Bryant é um cara que todos nós admiramos e vimos quando crianças. Mesmo quando ele estava vivo e jogando, seu DNA estava embutido em nós como jogadores ”, disse Durant, via SNY. “De longe, ele nos ensinou sobre o que é o jogo, sobre o que é a ética do trabalho.

“Agora que ele não está mais conosco, todos nós queremos honrar seus ensinamentos indo por aí e jogando com essa paixão, com essa energia a cada jogada. E caras que tinham relacionamentos próximos, vão entender como ele se aproximava a cada dia, principalmente com o Team USA. Ele realmente se orgulhava de fazer parte desse grupo e dessa equipe. Todos nós nos alimentamos desse tipo de energia e Kobe sempre trouxe isso. Então ele sempre será grande para cada um de nós aqui. Nós sentimos falta dele. Sentimos muita falta dele, porque ele estaria aqui apoiando. ”

Durant lidera o Team USA

Está claro que Durant conhece a maneira como lidera atualmente a equipe dos EUA. E é dessa forma que Durant quer homenagear o grande Kobe, com todos os ensinamentos que o Black Mamba lhe proporcionou. Chegou a hora de Durant passar para os demais.

“Sua liderança é excelente. Ele tem uma campanha de 39-0 no basquete dos EUA e isso é loucura ”, disse a estrela do Wizards, Bradley Beal, na quarta-feira, durante o segundo dia do treinamento da equipe dos EUA, por NetsDaily. “Nós definitivamente queremos continuar assim. Diz muito para ele estar há mais de 10 anos na liga e ainda querer voltar e fazer parte desta prestigiosa fraternidade. Nós definitivamente olhamos para ele para nos empurrar e nos liderar, mas ao mesmo tempo, ele é muito altruísta. Ele é muito encorajador. Ele quer que todos se saiam bem. ”

O técnico da equipe dos EUA, Gregg Popovich, compartilha desse sentimento.

“Ele quer fazer parte disso o tempo todo, como todos sabemos. E essa é a sua motivação principal. Isso é o que ele adora fazer. E, felizmente para todos nós, é quem ele é ”, disse Popovich, via NetsDaily. “Portanto, é uma prova de seu caráter e apenas o desejo de fazer parte de uma equipe e ter um desafio e buscar o sucesso.”

Os maiores vencedores e perdedores dos playoffs 2021 da NBA

Os Playoffs da NBA costumam imortalizar jogadores e elevar o seu nível quando se tem sucesso, mas por um outro lado, ele pode também destruir a reputação de um jogador.

Caminhando para o final de mais uma temporada com a série entre Suns e Bucks em andamento, vamos dar uma olhada naqueles que se sairam muito bem e a turma que gostaria de esquecer que estiveram na fase de mata-mata da NBA.

OS PERDEDORES

Rudy Gobert

Imagine ganhar o Jogador Defensivo do Ano apenas para ficar completamente exposto na defesa em seu jogo mais importante da temporada. Rudy Gobert não precisa imaginar, porque foi o que realmente aconteceu. Quando o Clippers jogaram o small-ball contra o Jazz na segunda rodada, Gobert parecia completamente perdido e simplesmente não conseguiu proteger o perímetro. Foi o ponto crucial para a virada da série, mesmo com o time de Los Angeles jogando sem Kawhi Leonard.

Ben Simmons

Os problemas de Ben Simmons nos playoffs foram bem documentados para dizer o mínimo, mas ainda por cima, é realmente decepcionante que Simmons não jogue nas Olimpíadas. Não é apenas uma enorme decepção para os torcedores australianos, mas já questionam a sua determinação para melhorar. Onde está o desejo de superar a adversidade? Ele pode eventualmente consertar seu arremesso em um ginásio vazio na offseason - embora a história sugira fortemente que ele será exatamente o mesmo jogador na próxima temporada - mas seu verdadeiro problema está na sua mentalidade e precisa ser trabalhada nos jogos, não em treinos. Que melhor oportunidade para fazer isso do que conseguir uma mudança de cenário em Tóquio e dominar uma competição menor jogando por um time australiano cheio de química? Foi oportunidade de ouro perdida.

Doc Rivers

Resta alguma dúvida de que Doc Rivers é um treinador muito 'meia boca' que somente tem em seu currículo aquele título do Celtics em 2008?

OS VENCEDORES

Paul George

Com a óbvia exceção de Ben Simmons, muito poucos jogadores receberam tanta crítica quanto Paul George nos últimos tempos. Parte disso foi sua própria culpa, desde quando ele começou a se chamar de ‘Playoff P’. Dar a si mesmo um apelido é um jogo perigoso - Kobe só se safou porque Kobe era Kobe - e você está procurando encrenca se não cumprir isso. Esse título só piorou as coisas quando George marcou 10 pontos ou menos em três jogos do playoff no ano passado, e 15 pontos ou menos em seis jogos, antes de encerrar uma desastrosa sequência de pós-temporada com uma noite de 4-16 arremessos. O playoff P havia se tornado o Pandemic P, e considerando que sua confiança se despedaçara, era difícil imaginar isso mudando tão cedo. Então Kawhi Leonard foi diagnosticado com sua lesão misteriosa e tudo mudou. No meio de uma série de segunda rodada com o Utah Jazz que parecia quase perdido, o homem que eles chamavam de "PG13%" se destacou de forma importante. George não apenas marcou 31 pontos nos últimos dois jogos que Leonard jogou, mas após a lesão de seu colega, ele teve uma média de pouco menos de 30 pontos por jogo, ao mesmo tempo que obteve 11 rebotes e 5.6 assistências em um esforço significativo que ajudou o Clippers a chegar a duas vitórias de uma aparição nas finais que eles não deveriam nem farejar. O time pode não ter alcançado seu objetivo final, mas a turnê de redenção de Paul George nos deu uma das histórias mais atraentes.

Trae Young

Você não encontrará muitos jogadores que amam a pressão mais do que Trae Young. Este homem nasceu para o grande palco. Está claro na maneira como ele anda, fala e joga. Curiosamente, apesar de não ser um grande arremessador de três pontos - ele fez apenas 31,3 por cento de suas tentativas de longa distância nos playoffs - o Bucks se convenceu de que precisava defender Young como um de qualquer maneira, talvez devido à sua confiança absoluta e poder de estrela magnetizante. Ao atrair tanto a atenção defensiva de Milwaukee, Young foi capaz não só de marcar com frequência, mas também de distribuir a bola em alta velocidade, com uma média de 9.5 assistências por jogo ao longo dos playoffs, o máximo de qualquer jogador a ultrapassar a primeira rodada.

Reggie Jackson

Indesejado em Detroit e sobrecarregado com a reputação de ser um companheiro de equipe abaixo da média, a carreira de Reggie Jackson na NBA não estava bem há muito tempo. Mas o Clippers lhe deu uma tábua de salvação na última temporada, e ele a agarrou com as duas mãos. Jackson jogou demais, acertando mais bolas de três do que qualquer outro nos playoffs por uma margem significativa. Na maioria das vezes, quando o Clippers precisava de uma cesta, Jackson estava lá. Era incrível que esse homem, de todas as pessoas, muitas vezes parecesse a opção mais confiável para sua equipe. Ele pode ter sido eliminado da disputa dos playoffs, mas 2021 será a offseason de Reggie, com vários times que deverão jogar enormes maços de dinheiro nele na agência livre.

Chris Paul

Em dezembro, era fácil pensar que o legado de Chris Paul já havia sido escrito. Paul parecia destinado a ser um grande armador cujo estilo de jogo obsessivo e calculado nunca se traduziu em uma única vaga nas Finais. Mas agora, ele pode ser conhecido como uma estrela que lutou contra lesões no ombro que pareciam significar o fim de sua temporada, antes de vencer tudo com um time do qual ninguém esperava nada. E tudo isso aos 36 anos, bem depois de sua suposta data de validade ter chegado. Estes foram os playoffs de Chris Paul, e é improvável que isso mude.

Top Histórias

A intensa relação de Kevin Durant com a maconha contada em livro

Giannis Antetokounmpo reage a contagem durante seus lances-livres

O Lakers deve estar feliz porque Kawhi Leonard escolheu o Clippers

Fique por dentro

NBA: Stephen Curry é um dos cinco melhores jogadores de todos os tempos?

Bradley Beal decidiu seu futuro para a próxima temporada da NBA

NBA: Kyrie Irving revela porque agiu de forma agressiva com torcida do Celtics

Acompanhe o Hoop78

No Instagram

No Spotify

Curta o som Hoop78!