Espalhe por Whatsapp

Os jogadores intocáveis de cada time da NBA

Renato Campos
Renato Campos
29 de Junho

Em uma negociação de troca na NBA, é muito provável que as conversas entre os times comecem no tom de quem determinado time não irá negociar de forma alguma. Aqueles jogadores que não adianta o que você esteja disposto a oferecer, o outro time não vai negociar.

A offseason se aproxima e a conversa sobre trocas está se intensificando. Com base nisso, o site Bleacher Report fez uma lista de todos os jogadores inegociáveis entre todos os times da NBA. Vamos dar uma olhada!

Atlanta Hawks: Trae Young

Young, de apenas 22 anos, tem guiado o Atlanta Hawks à sua segunda aparição na final da conferência na história da franquia. Ele é o primeiro jogador em quase meio século a ter uma média de pelo menos 24,0 pontos e 8,0 assistências nas três primeiras temporadas.

Adicione a isso a atitude e a confiança que ele despejou no Hawks, criando uma identidade distinta, e não há nenhum cenário plausível em que o time de Atlanta pudesse pensar em trocar Young.

Boston Celtics: Jayson Tatum

O crescimento de Jaylen Brown no quinto ano rendeu-lhe seu primeiro All-Star e o colocou quase em igualdade com o companheiro de equipe Jayson Tatum. Quase.

Tatum continua sendo o jogador mais valioso do Boston, sendo um ala que pode organizar seus próprios arremessos contra qualquer defensor. Embora tenha apenas 23 anos, ele já foi a duas finais de conferência e teve uma média de pelo menos 24,0 pontos por jogo em suas últimas quatro séries de playoffs.

Existem poucos jogadores com menos de 25 anos que você prefere ter do que Tatum, e ninguém nesse grupo tem um currículo mais extenso de pós-temporada tão jovem. Bom nos dois lados da quadra, Tatum quase não tem nenhum defeito em seu jogo. Basicamente o tipo de cara que todo time que escolhe no topo do draft espera encontrar.

Brooklyn Nets: Kevin Durant

Se você viu as semifinais do Leste, talvez você nem precise de argumentos para concordar que Kevin Durant é o principal cara em Brooklyn. Talvez, Durant seria o principal jogador na maioria dos times da liga.

Apesar da intensa atuação defensiva, pouca ajuda e, muitas vezes, nenhum descanso, Durant teve uma média de 35,4 pontos, 10,6 rebotes e 5,4 assistências contra o Milwaukee Bucks. Seu triplo-duplo de 49 pontos no jogo 5 foi o melhor desempenho de pós-temporada de sua carreira e merece consideração como o maior jogo individual de playoff dos últimos anos.

No jogo 7, ele marcou 48 pontos e estava a meio caminho de vencer a série sozinho.

Durant também foi membro da equipe All-NBA nove vezes com um prêmio MVP, duas finais MVPs, quatro títulos de cestinha da liga e dois anéis. Ele é o único jogador na história da NBA a ter uma média de pelo menos 27,0 pontos por jogo, com uma porcentagem de arremesso de 61,0 por cento.

Charlotte Hornets: LaMelo Ball

Este é um bom exemplo como a definição de um jogador intocável é relativa.

LaMelo Ball, o calouro do ano em 2020-21, não está no mesmo nível que Young, Tatum ou Durant na hierarquia da liga. Mas sua juventude e habilidade dão esperanças ao Hornets de construir um time vencedor.

Um passador brilhantemente intuitivo com instinto e criatividade sem limites, Ball pode ou não levar o Hornets ao grande sucesso. É muito cedo para ter certeza de que ele irá progredir o suficiente como pontuador e defensor para se tornar um verdadeiro jogador de elite. O que é certo é que ele fará Charlotte sentir-se à vontade enquanto estiver comandando o show.

Com médias de 15,7 pontos, 6,1 assistências e 5,9 rebotes, em uma temporada com 19 anos, não são nada desprezíveis.

Chicago Bulls: Patrick Williams

A carreira de Patrick Williams ainda está muito no início, mas sua combinação de juventude e potencial para o sucesso em um papel crítico o torna a escolha para o Chicago Bulls.

Um dos apenas três jogadores a registrar pelo menos 1.900 minutos e postar uma porcentagem de arremessos de 56% em uma temporada com 19 anos, Williams teve uma experiência incomum como novato. Os outros dois jogadores neste grupo escolhido a dedo são Jayson Tatum e Dwight Howard, e eles são diferentes o suficiente para servir como um lembrete de que ainda não podemos prever nada específico sobre o futuro de Williams.

Mas tanto Tatum quanto Howard se tornaram estrelas e pontos focais de equipes muito boas. É justo concluir que qualquer jovem de 19 anos que tenha permissão para jogar tanto quanto Williams promete.

Zach LaVine é o melhor jogador de Chicago, mas ele alcançará a agência livre após 2021-22 se não assinar uma extensão neste verão. Embora um executivo da liga tenha dito a Tim Bontemps da ESPN no prazo final de negociação que LaVine e Williams eram intocáveis, você teria que pensar que, dos dois, o status do contrato de LaVine agora o torna mais provável de ser transferido do que Williams.

Cleveland Cavaliers: Darius Garland

O Cleveland Cavaliers relembra aquele velho ditado: se você tem muitos bons candidatos para o cargo, significa que não tem nenhum ótimo. Nesse contexto, Cleveland tem muitos jovens jogadores levados em consideração no draft para considerar a marca de “intocável”, mas nenhum destaque óbvio.

Collin Sexton liderou a equipe na pontuação em cada um dos últimos dois anos, mas ele é um shooting guard com corpo de point guard, o que não é o ideal defensivamente.

Isaac Okoro e o agente livre restrito Jarrett Allen projetam como peças de rotação, mas ambos estariam disponíveis pelo preço certo.

Isso deixa Darius Garland, uma opção imperfeita com certeza. Ele, como Sexton, é pequeno para sua posição. Mas Garland acertou 39,5 por cento de três em sua segunda temporada e melhorou dramaticamente sua taxa de assistências enquanto reduziu seus turnovers. Prever o estrelato para ele é duvidoso, mas ele é o vencedor aqui por padrão.

Dallas Mavericks: Luka Doncic

A recente desestabilização do Dallas Mavericks, marcada pela saída do executivo de longa data Donnie Nelson e do técnico Rick Carlisle, pode fazer parecer que uma mudança drástica é possível em todo time. Mas, realmente, todos nós sabemos que essa revolução tem um limite muito específico.

Não se estenderá a Luka Doncic.

O calouro do ano em 2018-19 fez parte do primeiro time da All-NBA em cada uma das últimas duas temporadas. Doncic, sem dúvida o melhor jogador sub-25 da liga, liderou o ataque mais eficiente da história durante a temporada 2019-20, e soou como uma decepção quando o jogador de 22 anos terminou apenas em sexto na votação de MVP de 2020-21. Ele foi o quarto em 2019-20.

A visão de Doncic em quadra é algo absurdo. Mudança de ritmo, jogadas rápidas, step-back jumpers, movimentos de post, controle de bola, um saco sem fundo de opções - Doncic tem tudo.

Ele com certeza deve ser o favorito para a maioria dos MVPs conquistados na próxima década. A única maneira de ele sair de Dallas é se a decisão for inteiramente dele. A organização nunca puxará voluntariamente esse gatilho de troca.

Denver Nuggets: Nikola Jokic

Nikola Jokic acabou de estabelecer ou igualar os recordes de sua carreira com 26,4 pontos, 10,8 rebotes e 8,3 assistências por jogo, concluindo legitimamente a temporada 2020-21 com um prêmio de MVP. Russell Westbrook é o único outro jogador nos últimos 60 anos a postar essas médias de três categorias ao longo de uma temporada completa, e a porcentagem de 64,7 de aproveitamento de Jokic absolutamente ultrapassa a marca de 55,4 que Russ conseguiu em 2016-17.

O estilo altruísta de Jokic e o desejo de preparar seus companheiros de equipe significa que o Nuggets poderia mexer no elenco de várias maneiras. Não importa o que eles construam em torno de Jokic, o pivô sérvio maximizará o talento disponível.

Durável, consistente na criação de um ataque e capaz de tornar todos ao seu redor melhores, Jokic está entre os pilares mais plug-and-play da liga. Ele se destacaria em qualquer lugar, e é por isso que não vai a lugar nenhum.

Detroit Pistons: a escolha nº 1

Você estava esperando por Killian Hayes? Jerami Grant, talvez?

Com desculpas para os dois, o Detroit Pistons trocaria qualquer um deles para garantir a primeira escolha do próximo draft da NBA.

Temos um bom tempo até que a primeira escolha seja feita oficialmente, mas muita coisa teria que mudar para alguém além de Cade Cunningham ser o melhor candidato. Um armador líder intuitivo com uma estrutura de ala, Cunningham estaria pronto para se destacar na NBA apenas com a força de seu jogo como facilitador. O fato de ele também ter as habilidades de um pontuador e o instinto de jogar na defesa acima da média apenas reforça seu status no topo de sua classe de recrutamento. Ninguém mais na loteria iguala seu potencial para elevar uma franquia.

Golden State Warriors: Stephen Curry

Vale muito quando uma franquia não precisa nem pensar em dar a um jogador de 33 anos uma extensão de contrato de US$ 215,4 milhões por quatro anos. Considerando o que Stephen Curry significa para o Warriors, isso é uma pechincha.

O duas vezes MVP e três vezes campeão fez de tudo na que pode ter sido sua temporada mais impressionante em sua carreira. Apesar de não ter uma ajuda ofensiva confiável, Curry teve uma média de 32,0 pontos por jogo, o recorde de sua carreira, liderou a liga nas bolas de três pela sexta vez e forneceu o maior impulso para a classificação ofensiva de qualquer jogador de seu time (com pelo menos 700 minutos) na liga .

Curry foi o único foco do plano de jogo defensivo de todos os oponentes na temporada passada, e ele brilhou mais forte do que nunca, matando tiros impossíveis.

Se você dissesse ao Warriors que eles poderiam trocar Curry por outro superstar ou mantê-lo na condição de jogar toda a temporada 2021-22 com apenas quatro jogadores na quadra, eles teriam pelo menos que pensar sobre isso.

Houston Rockets: Christian Wood

Assim como o Pistons, o Houston Rockets não tem um jogador em seu elenco atual mais valioso do que a escolha número 2 que eles conseguiram na loteria do dia 22 de junho. Mas já falamos sobre "a escolha intocável" uma vez, então nomearemos Christian Wood como o menos intocável da lista disponível de Houston.

Wood ainda tem apenas 25 anos e está saindo de uma temporada na qual obteve uma média de 21,0 pontos e 9,6 rebotes por jogo, validando totalmente o aumento no final da temporada que ele fez como titular do Pistons em 2019-20. Com uma média de US$ 14 milhões por temporada nos próximos dois anos, o salário de Wood é favorável à equipe - especialmente se ele continuar o crescimento que mostrou durante seu primeiro ano em em Houston.

Negocie com o Rockets por John Wall ou Eric Gordon, e eles ouvirão com prazer. Esses dois são caros e estão em um momento não tão positivos de suas trajetórias de carreira, deslocados em um time em reconstrução. Você provavelmente poderia até fazer Houston se desfazer de suas peças mais jovens, como Jae'Sean Tate e Kevin Porter Jr., com o pacote certo de escolhas de draft e talentos promissores.

Wood, porém, está bem no início de seu auge e é o único membro da equipe que se projeta como um titular de qualidade e um contrato de valor. Isso o diferencia.

Indiana Pacers: Domantas Sabonis

O Indiana Pacers têm um elenco de jogadores de qualidade com contratos razoáveis.

Caris LeVert, Domantas Sabonis, Myles Turner e Malcolm Brogdon estão todos com contratos vigentes para a temporada 2021-22 em uma faixa salarial entre $ 17,5 e $ 21,7 milhões. T.J. Warren tem tido problemas de lesão depois de perder praticamente todos os jogos do time, mas ele é o maior achado de todos, com um contrato de US$ 12,5 milhões.

No final, Sabonis é o único All-Star neste elenco bem pago, o que provavelmente o torna o Pacer que demandaria mais em uma negociação hipotética. Ele está longe de ser intocável, mas Sabonis está o mais perto que podemos chegar dessa equipe.

Los Angeles Clippers: Kawhi Leonard

Kawhi Leonard não joga mais de 60 jogos em uma temporada desde 2016-17. Embora esse número possa ser um pouco enganador devido aos calendários encurtados em cada um dos últimos dois anos, a ala cinco vezes All-NBA tem um histórico inegável de lesões. Ele está em alguma forma de gerenciamento de carga desde que foi diagnosticado com tendinopatia do quadríceps direito em 2017, e a entorse no joelho atualmente o deixando de lado nos playoffs de 2021, não é um bom presságio para sua durabilidade no futuro.

Para compensar essas preocupações, Leonard, quando saudável, só continuou a melhorar.

Seu percentual de 62,2 de aproveitamento na temporada passada foi o melhor de sua carreira, e ele aumentou seu número em assistências durante os últimos dois anos. Sua pontaria de mid-range é insuperável, e ele ainda pode causar estragos quando necessário.

Deixando de lado as preocupações com a saúde, Leonard ainda está na pequena lista de alas bidirecionais de elite da liga. O fato de ele ter escolhido entrar para o Clippers e atrair outros talentos de ponta, apenas diminui as chances de sua saída.

Los Angeles Lakers: LeBron James

LeBron James nunca foi negociado e é seguro presumir que ele nunca será.

LeBron sempre foi aquele jogador com mais influência na mesa de negociações. Ele nunca se submete aos caprichos de qualquer organização para a qual escolheu jogar.

Mas é principalmente porque ele foi o melhor jogador da liga - pelo menos na medida em que afeta as chances de seu time de ganhar um título - na grande maioria de seus 18 anos de carreira. Se ele estiver em um elenco decente e com boa saúde, seu time é um candidato certo. Quando o mesmo cara aparece em oito finais consecutivas e nove em um período de 10 anos, você não precisa muito para explicar o seu valor para qualquer franquia.

James é sinônimo de finais da NBA. E um cara desses, você não troca.

Aos 36, LeBron está perto do fim. Anthony Davis pode em breve ultrapassá-lo como a estrela mais intocável do Lakers, mas ainda não chegou a hora.

Memphis Grizzlies: Ja Morant

Ja Morant tem que melhorar seu chute de três pontos e aproveitar seu atleticismo para ter uma defefsa mais impactante, mas esses são os únicos pontos a evoluir quando se trata do armador do Memphis Grizzlies.

Com média de 30,2 pontos e 8,2 assistências por jogo na primeira série de playoffs de sua carreira, Morant já mostrou que suas habilidades se mantêm no ambiente intensificado da pós-temporada. Embora seu Grizzlies tenha sido eliminado na primeira rodada em cinco jogos contra o Utah Jazz, Morant foi capaz de chegar aonde quisesse no chão e tomar a decisão correta de passe e arremesso.

Com a capacidade de inflamar sua equipe e a multidão, uma inegável vantagem competitiva e habilidades de liderança, Morant se apresenta como um verdadeiro armador que comanda o seu time. Ele tem um caminho a frente para se tornar o maior jogador do Grizzlies na história da franquia.

Miami Heat: Bam Adebayo

O Miami Heat é uma equipe que quer vencer agora, construída em torno de Jimmy Butler, de 31 anos, o que parece torná-lo seu ativo mais fora dos limites. Um criador de cultura saindo de uma temporada que lhe rendeu sua quarta convocação para o All-NBA e a quinta na carreira em um time All-Defensive, Butler teve uma média de 21,5 pontos por jogo em 2020-21 enquanto estabeleceu novos recordes de carreira em assistências, rebotes e roubos de bola.

Ele liderou a liga nessa última categoria.

Bam Adebayo é oito anos mais novo que Butler, e o Heat o contratou para uma extensão máxima na primeira oportunidade. Talvez Butler seja um pouco mais importante para os projetos imediatos da organização para vencer, mas Adebayo é basicamente o protótipo do pivô moderno. Ele, ao contrário de tantos pivôs convencionais de elite, é idealmente adequado para suportar o estilo de jogo durante os playoffs.

O Heat pode construir em torno dele por uma década, garantindo sua capacidade de alternar entre cinco posições. Não faz mal que Adebayo já esteja entre os melhores jogadores de garrafão passadores do jogo; suas 5,4 assistências por jogo na temporada passada atestam isso.

Butler é atualmente o melhor e mais produtivo jogador do Heat. Mas 2021-22 será sua temporada de 32 anos. Com seu chute de três pontos meia boca em ação e a probabilidade de declínio físico se aproximando, Butler tem que dar lugar a Adebayo no departamento de intocabilidade.

Milwaukee Bucks: Giannis Antetokounmpo

Giannis Antetokounmpo é o ultra-raro talento local de pequeno mercado que se tornou o pilar de um time pronto para ser campeão da NBA. O duas vezes MVP é o melhor modelo para organizações que não podem assinar ou negociar para chegar ao topo da liga - o que, na verdade, vale para quase todas as organizações.

O resto da NBA salivou com a possibilidade de Antetokounmpo recusar uma extensão supermax na offseason passada, e você pode apostar que o Bucks perdeu o sono todas as noites até que ele assinou o acordo que o manterá em Milwaukee até 2026.

Vimos o Bucks sacrificar três futuros jogadores de primeira rodada e mais duas opções de troca para agarrar Jrue Holiday, uma decisão tomada inteiramente para convencer Antetokounmpo de que ele deveria renovar com a franquia. Funcionou, e a Antetokounmpo ainda estará no time por mais meia década.

A única maneira de ele partir de Milwaukee é exigindo uma troca. Com o Bucks chegando às finais da conferência apenas pela segunda vez no mandato de Antetokounpo e parecendo capaz de vencer tudo, é difícil imaginar um cenário em que Giannis seguiria esse caminho.

Minnesota Timberwolves: Karl-Anthony Towns

É claro que o nome de Anthony Edwards veio a cabeça de muitos nesse caso. Mas a questão é que, se Edwards atingir o pico como o líder ofensivo e ter constancia como um jogador de elite, tudo o que ele terá feito será igualar o que Karl-Anthony Towns já alcançou.

Towns é capaz de destruir pivôs convencionais do perímetro e detonar oponentes de todos os tamanhos com sua habilidade devastadora de pick-and-pop. É perigoso no ataque, capaz no post e amplamente importante para o ataque da sua equipe.

A presença de Towns melhorou a classificação ofensiva do Wolves em pelo menos cinco pontos por 100 posses em todos os anos de sua carreira. Em cada uma das últimas duas temporadas, seu impacto valeu mais de 11,0 pontos por 100 posses no ataque. Desde que ingressou na liga, Towns tem estado entre os maiores criadores de diferenças ofensivas do jogo.

São 18 jogadores com média de pelo menos 22,0 pontos e 11,0 rebotes durante os primeiros seis anos de suas carreiras. Towns se destaca nesse grupo com 629 bolas de três convertidas nesse período, mais do que os outros 17 jogadores somados.

Edwards pode um dia se tornar especial, mas Towns já é.

New Orleans Pelicans: Zion Williamson

O Pelicans teve um jogador intocável antes, apenas para ver outro time levá-lo de New Orleans. Zion Williamson pode ser a próxima estrela do time a abrir caminho para uma franquia maior.

A menos e até que a frustração evolua para o descontentamento do tipo "tire-me daqui", Williamson é obviamente o jogador mais cobiçado do Pelicans. Trabalhando no meio do ano como um manipulador de bola principal, as investidas de Williamson resultaram em 20,3 pontos no garrafão por jogo. Essa é a maior média desde a temporada de MVP de Shaquille O'Neal em 1999-00.

A diferença entre Shaq e Williamson é crítica: Zion pode chegar ao garrafão por conta própria, enquanto O'Neal precisava de um passe com ele já infiltrado. As oportunidades extras criadas pela pontuação criadas pelo próprio Williamson, são mais alguns pontos a favor.

Williamson pode atacar de qualquer lugar.

A escolha nº 1 em 2019 teve uma média de 27,0 pontos por jogo e um aproveitamento de 61,1% de aproveitamento em sua segunda temporada. Williamson pode deixar New Orleans um dia, mas o Pelicans nunca vai querer que ele vá embora.

New York Knicks: RJ Barrett

Julius Randle foi um merecido vencedor do prêmio de Most Improved Player da liga na temporada passada, durante a qual ele foi o motor de um ataque do Knicks, que teve um desempenho bom o suficiente para fazer seu excelente trabalho de defesa se sustentar.

Sem Randle dar um salto como arremessador e facilitador, o Knicks nunca teria garantido a vantagem de jogar em casa na primeira rodada dos playoffs.

Dito isso, RJ Barrett é meia década mais novo que Randle e terminou sua segunda temporada da NBA com médias de 17,6 pontos, 5,8 rebotes e 3,0 assistências. Mais importante, o canhoto de 21 anos superou uma terrível queda de aproveitamento no início do ano para terminar com uma taxa de acerto de 40,1 por cento para três. Barrett está longe de ser um produto acabado e ainda favorece os mid-rangers em um grau prejudicial. Mas ele atendeu às exigentes demandas defensivas do técnico Tom Thibodeau, desenvolveu-se como pontuador e não mostra sinais de mudar sua reputação duramente conquistada como um trabalhador mentalmente duro e incansável.

Seu lado positivo faz dele, não Randle, o cara que Nova York mais resistiria a negociar.

Oklahoma City Thunder: Shai Gilgeous-Alexander

Ninguém no elenco do Oklahoma City Thunder deve ficar totalmente confortável, mas Shai Gilgeous-Alexander é o jogador com menos probabilidade de se decepcionar se ele comprar em vez de alugar em OKC.

A pérola da troca de Paul George em 2019, Gilgeous-Alexander foi uma peça de apoio útil ao lado de Chris Paul durante a temporada 2019-20. Ele provou que podia produzir pontuação de maior volume a taxas um pouco mais eficientes do que quando era novato. Foi um passo sólido à frente.

A temporada 2020-21 apresentou um salto completo.

SGA liderou a liga em infiltrações por jogo e aumentou drasticamente sua porcentagem de arremessos de 56,8 para 62,3 por cento. Este último número foi de jogadores de elite, empatado em oitavo lugar na liga entre os jogadores que tentaram pelo menos 15,0 arremessos por jogo. Ele terminou sua terceira temporada com médias de 23,7 pontos, 5,9 assistências e 4,7 rebotes.

Perigoso com a bola, e também sem ela (41,8 por cento em 4,9 tentativas de três pontos por jogo), Gilgeous-Alexander é aquele cara que fará dupla com qualquer tipo de jogador que o Thunder possa trazer para se juntar a ele como peça fundamental.

Orlando Magic: Jonathan Isaac

O Orlando Magic está entrando no primeiro ano de uma reconstrução há muito esperada, e está fazendo isso com uma das coleções de talentos mais desanimadoras da liga. Examine o elenco e você entenderá rapidamente por que o Magic está começando de novo.

Esqueça o talento de um jogador veterarno ou jogadores jovens esbanjando potencial. Orlando não tem muito disso.

Vários jogadores podem algum dia ganhar essa modesta distinção. Cole Anthony, Gary Harris, Chuma Okeke, RJ Hampton, Mo Bamba, Wendell Carter Jr. e Markelle Fultz já flertaram em atingir esse nível no passado ou têm potencial para chegar lá eventualmente. Mas nenhum deles jamais seria confundido com uma peça central organizacional.

E Jonathan Isaac?

O pivô excepcionalmente ágil, mostrou tempo de bloqueio de arremessso e tem capacidade de jogar em diferentes posições quando livre de lesões, mas ele perdeu a temporada 2020-21 com uma lesão no joelho e registrou 34 jogos ou menos em duas de suas três temporadas "saudáveis" anteriores .

Aos 23, Isaac tem tempo para justificar seu status padrão de jogador mais intocável do Orlando. Esperamos que seu corpo coopere.

Philadelphia 76ers: Joel Embiid

Se esse artigo tivesse sido escrito na temporada passada, alguns teriam escolhido Ben Simmons, enquanto outros teriam nomeado Joel Embiid como a peça fundamental do Philadelphia 76ers.

Embiid tem sido um destruidor quando está saudável e em forma, mas seu histórico de lesões e repetidas falhas em se manter em sua melhor forma durante uma temporada inteira, o tornaram uma aposta de longo prazo relativamente arriscada.

Embora longe de ser um modelo de durabilidade, Embiid tem sido um All-Star em todas as temporadas desde que assinou essa extensão. Ele foi indiscutivelmente um dos melhores jogadores da liga nesta temporada. Se ele tivesse jogado alguns jogos extras, ele poderia muito bem ter vencido o MVP que foi para Nikola Jokic.

Simmons, por sua vez, teve um desempenho abaixo do esperado nos playoffs e agora deve ser negociado. De acordo com Adrian Wojnarowski da ESPN, os representantes de Simmons e o Sixers já discutiram como efetuar uma separação.

Phoenix Suns: Devin Booker

All-Star nas últimas duas temporadas, Devin Booker amadureceu.

A primeira pós-temporada de Booker eliminou quaisquer dúvidas sobre sua prontidão para as situações de maior necessidade. Seus números individuais sempre foram estelares, com uma média de pontuação na carreira de 23,0 pontos por jogo com aproveitamento acima da média. Agora, porém, sabemos que ele pode comandar um ataque sozinho, manter-se defensivamente e olhar para as estrelas adversárias sem medo.

Não é como se o Phoenix Suns tivesse poucos candidatos. Deandre Ayton está prosperando nos playoffs, Chris Paul foi bom o suficiente para potencialmente recusar os US$ 44,2 milhões que sua opção de jogador lhe pagaria por 2021-22, e Mikal Bridges já é um jogador 3-D por excelência em apenas sua terceira temporada.

Phoenix se separaria de todos esses caras antes de deixar Booker ir embora.

Portland Trail Blazers: Damian Lillard

Damian Lillard é um cara difícil de categorizar para esta lista. Ele é obviamente o melhor jogador de seu time e está a caminho de ser o mais icônico Portland Trail Blazer na história da franquia - mesmo se ele ainda não estiver lá.

No entanto, a mesma produção e lealdade que lhe valeram esse status podem ser os fatores mais ativos que o vão o empurrar porta afora. Se ele quiser seguir em frente, a organização deve a ele fazer isso acontecer.

O Blazers se despediu de Terry Stotts, o único técnico da NBA por quem Lillard já jogou, depois de não passar da primeira rodada dos playoffs pela quarta vez nos últimos cinco anos. Você poderia perdoar Lillard por querer uma mudança de cenário, e ele tem absolutamente a influência para fazer isso acontecer.

Até que o seis vezes All-Star realmente exerça sua influência pedindo uma negociação, Portland não vai negociá-lo.

Sacramento Kings: De'Aaron Fox

O Kings não foi digno de atenção durante a maior parte de sua história, provavelmente por isso que tão poucas pessoas estão cientes dos passos graduais que De’Aaron Fox tem dado na direção certa.

O armador de 23 anos teve média de 25,2 pontos e 7,2 rebotes em relativa obscuridade no ano passado. Embora esses números se sustentem por si próprios, é realmente o progresso que os levou a que merece mais atenção. Fox, apesar de jogar sem nenhum companheiro de equipe estrela e de passar quatro temporadas com uma das franquias mais disfuncionais da liga, claramente nunca parou de funcionar.

Seria bom se ele pudesse usar sua velocidade e reações rápidas para um efeito maior na defesa, mas o armador canhoto carrega uma carga tão pesada ofensivamente que pode ser irreal pedir mais do outro lado. Além disso, Sacramento não está exatamente alimentando uma cultura de defesa em primeiro lugar, tendo ficado em último lugar em eficiência defensiva no ano passado.

Fox é a melhor coisa que o Kings possui.

San Antonio Spurs: Dejounte Murray

As limitações de tiro de longo alcance de Dejounte Murray o tornam algo diferente de um armador convencional. Por esse motivo, ele pode nunca ser o tipo de opção que as equipes tendem a gostar nessa posição.

Murray, no entanto, encontra outras maneiras de contribuir com o Spurs. Ele foi um dos apenas três jogadores - junto com Draymond Green e Robert Covington - a acumular pelo menos 400 rebotes e 100 roubos de bola na última temporada. Ele está entre os defensores mais capazes do jogo e é melhor do que a maioria em sua posição em jumpers de dois pontos.

Derrick White foi uma consideração nesse caso, mas ele é dois anos mais velho que Murray. Keldon Johnson tem a juventude a seu lado, mas não provou o suficiente. Murray poderia ser negociado, mas demandaria o maior retorno.

Toronto Raptors: OG Anunoby

Pascal Siakam tem aquela vantagem do time All-NBA 2019-20 a seu favor, e seria difícil argumentar que qualquer jogador do Toronto Raptors (atualmente sob contrato; portanto, Kyle Lowry está de fora) tem sido mais produtivo nas últimas temporadas. Mesmo em um difícil 2020-21, durante o qual seu chute de três pontos desapareceu, Siakam ainda teve uma média de 21,4 pontos, 7,5 rebotes e 4,2 assistências, chegando à linha de falta com mais frequência do que nunca.

Mas, ainda assim, o jogador do Raptors mais intocável é OG Anunoby.

Anunoby pode sufocar os armadores e defender habilmente a maioria dos pivôs. Ofensivamente, ele está desenvolvendo um jogo on-ball e agora está com 37,5 por cento de bolas de três em sua carreira, após matar 39,8 por cento de seus 6,1 triplos por jogo na temporada passada.

Kawhi Leonard, a quem Anunoby é frequentemente comparado, fez seu primeiro jogo All-Star em sua temporada de 24 anos. Anunoby está a caminho de igualar essa façanha no próximo ano, e a chance para ele seguir o plano de Leonard além dessa conquista é suficiente para torná-lo a joia da coroa de Toronto.

Utah Jazz: Donovan Mitchell

Se o Utah Jazz deseja continuar acumulando temporadas regulares dominantes, Rudy Gobert é o jogador mais capaz de liderar esse esforço. A presença do três vezes DPOY garante uma defesa de alto nível todas as noites, e isso é bom o suficiente por si só para acumular vitórias contra a maioria dos oponentes.

Mas, se o Jazz quiser fazer suas temporadas regulares consistentemente excelentes se sustentarem nos playoffs, Donovan Mitchell é quem deve ficar fora da mesa de negociações.

Utah não vai mover nenhuma de suas estrelas e dignas de valor. Ele pode e deve se concentrar em encontrar maneiras de evitar que Gobert seja explorado por oponentes menores. O Clippers capitalizou os instintos de Gobert para proteger a cesta, eliminando o Jazz com uma enxurrada de bolas de três pontos. Parte do ônus das falhas de Utah repousa sobre um corpo de defensores do perímetro que não podiam ficar à frente de suas atribuições, mas a incapacidade de Gobert de cobrir terreno suficiente foi, em última análise, fatal.

Mitchell é uma ameaça de alta pontuação na ala, que pode punir os adversários e chegar às suas posições com facilidade quando está com a bola. No jogo moderno - pelo menos como é jogado na pós-temporada - esse tipo de jogador é apenas mais valioso do que até mesmo os jogadores convencionais mais talentosos.

Washington Wizards: Bradley Beal

Não importa que a especulação de troca de Bradley Beal tenha se espalhado pela internet por mais de um ano. Fato é de que o armador com uma média de 30,0 pontos por jogo em cada uma das duas últimas temporadas, está entrando no último ano de seu contrato.

A menos e até que o Washington Wizards ou Beal abandonem sua lealdade mútua, todas as especulações permanecerão como apenas rumores.

O contrato de Russell Westbrook é tóxico, e Washington está lamentavelmente carente de outros jogadores solicitados, mas todos na lista têm mais probabilidade de ir para outro time do que Beal agora.

As coisas mudam rapidamente na NBA, mas a indisponibilidade de Beal tem sido uma constante.

Curta o som Hoop78!