Espalhe por Whatsapp

Lakers e Celtics: A rivalidade que atravessa gerações

Ricardo Romanelli
Ricardo Romanelli

A rivalidade entre Los Angeles Lakers e Boston Celtics é considerada a maior da NBA. As duas franquias são as maiores campeãs da liga, com 17 títulos para o Celtics e 16 para o Lakers. Somadas, as duas franquias possuem 33 dos 70 troféus de campeão da NBA, ou seja, quase metade.

Grandes jogadores já passaram por cada time. O Celtics tem 40 ex-jogadores no Hall da Fama do basquete, com 21 camisas aposentadas, o maior número de honrarias concedidas entre todas as franquias de esportes americanos. O Lakers, por sua vez, emplacaram 30 jogadores no Hall da Fama, aposentando 9 números de camisas.

As franquias fizeram, até hoje, 359 jogos. São 200 vitórias do Celtics contra 159 triunfos do Lakers. Em Finais, as equipes se encontraram 12 vezes. O Celtics ganhou as 8 primeiras, sendo que foram 7 apenas entre 1959 e 1969. Em 1984, mais um triunfo do time de Boston. A partir daí, em 4 confrontos (1985, 1987, 2008 e 2010) o Lakers levou 3 títulos, perdendo apenas em 2008.

Image title

A rivalidade começou no final dos anos 50, quase que com o começo da NBA. Em 1959, o Lakers, que até então jogava em Minneapolis, foi varrido pelo Celtics. Foi a primeira varrida da história das Finais da NBA. Seria na década seguinte, no entanto, que as coisas ficariam realmente quentes. O Celtics, liderado por Bill Russell, dominou a NBA. A franquia venceu todos os títulos da década, com exceção do de 1967. O potente elenco tinha, além de Russell, maior campeão da história da liga, nomes como Bob Cousy, John Havlicek, Sam Jones e o lendário técnico Red Auerbach. Já o Lakers deste período teve Elgin Baylor, Jerry West, Gail Goodrich e Wilt Chamberlain. Russell e Charmberlain formavam, além das franquias, a maior rivalidade entre jogadores da NBA. O pivô do Celtics colecionou títulos e marcas coletivas, enquanto que Chamberlain acumulou marcas estatísticas individuais que perduram até hoje, como 50 pontos de média em uma temporada e 100 pontos numa única partida.

O Lakers foi oponente do Celtics em 6 das 9 finais vencidas naquela década: 1962, 1963, 1965, 1966, 1968 e 1969. Até 1960, o Lakers tinha uma folgada vantagem de 5 títulos contra apenas 2 do Celtics. Até o final da década, o Celtics pularia na frente com 11 títulos e o maior período de dominância já visto nas grandes ligas esportivas dos EUA. O Lakers só voltaria a ser campeão em 1972, 13 anos após seu último título, ao bater o New York Knicks. Por conta disso, jogadores como West e Goodrich se aposentaram com apenas 1 título em seu cartel. Chamberlain tinha 2, pois conquistou o campeonato de 1967 pelo Philadelphia 76ers.

O Celtics venceria mais dois campeonatos nos anos 70, em 1974 e 1976. Esta década viu a NBA perder espaço ao sofrer forte concorrência da ABA, liga de basquete que tinha um estilo mais dinâmico e explosivo, e portanto mais apelativo ao público. As ligas se fundiriam até o final da década, criando o cenário perfeito para a rivalidade chegar a seu auge. Em 1979, dois calouros chegaram para mudar a história da NBA. Larry Bird, no Celtics, e Earvin "Magic" Johnson, no Lakers, são dois dos principais responsáveis pela expansão da NBA e sua popularidade. Bird era discreto, trabalhava duro, deixava seu jogo falar por si só e incrivelmente dedicado em quadra. Foi um dos jogadores mais inteligentes a jogar na NBA, e também um dos mais eficientes. Era uma ameaça ofensiva completa, e liderava seu time pelo bom exemplo. O "Celtic Pride" nunca esteve tão em alta e nem tão bem representado. Bird tinha como companheiros nomes como Robert Parish, Kevin McHale, Bill Walton e Danny Ainge.

Já "Magic" era um jogador diferente. O basquete vinha para ele de maneira instintiva, natural. Ele ajudou a criar o estilo de jogo rápido e plástico que ficou conhecido como "Showtime", naquela que foi a época mais marcante da história da franquia. Nomes como Kareem Abdul-Jabbar, James Worthy, Byron Scott, Michael Cooper, A.C Green e outros, além do técnico Pat Riley, foram os companheiros de Johnson nesta época.

Image title

Bird e Magic eram amigos fora de quadra, mas rivais implacáveis dentro dela. O Lakers de Johnson venceu primeiro, logo no ano de estréia do armador. No jogo derradeiro da Final de 1980, Kareem Abdul-Jabbar, pivô titular da equipe, estava lesionado. O calouro e armador Johnson assumiu a posição e não decepcionou. Foram 42 pontos, 15 rebotes, 7 assistências, 3 roubos de bola e 1 toco numa das performances mais brilhantes que a NBA já viu em um jogo de final. Magic e o Lakers ainda seriam campeões mais 4 vezes, em 1982, 1985, 1987 e 1988.

O Celtics respondeu no ano seguinte, levando o título de 1981. Levou novamente em 1984 e 1986.

O tão aguardado confronto direto veio em 84. Uma fantástica série de 7 jogos com muitos momentos memoráveis deu a vitória ao Celtics, que naquele momento da história tinha um retrospecto de 8x0 em Finais contra o rival.

O Lakers conseguiu se vingar no ano seguinte em grande estilo. A vitória derradeira, no jogo 6, fez do Lakers o único time visitante a se sagrar campeão da NBA no Boston Garden, solo sagrado do Celtics.

Depois do Lakers falhar em chegar na Final em 86, os times se encontraram para o desempate em 1987. Esta série, vencida pelo Lakers, trouxe talvez a imagem mais conhecida da rivalidade entre os times nos anos 80: o gancho de Magic para vencer o jogo 4 e tomar a liderança na série por 3x1.

A partir daí, Bird passou a ter muitos problemas nas costas e o Celtics perdeu a hegemonia no Leste para o Detroit Pistons e seus Bad Boys. O Lakers Showtime ainda ganharia mais um título, em 1988, e perderia a final de 1989 para o Pistons e em 1991 para o Chicago Bulls de Michael Jordan, no primeiro título do maior de todos os tempos.

Durante o domínio de Jordan nos anos 90, nenhuma das equipes foi dominante. Sendo assim, os placares de conquistas ficaram congelados. O Lakers tinha 11 títulos contra 16 do rival, e um retrospecto em confrontos diretos de 8x2 em favor do Celtics.

Image title

No começo dos anos 2000, O Lakers de Shaquille O'neal, Kobe Bryant e do técnico Phil Jackson ganhou 3 títulos seguidos entre 2000 e 2002, baixando a diferença para apenas 3 troféus. O Celtics só conseguiu ter um grande time novamente a partir de 2008, quando foi campeão no mesmo ano em que fez trocas que levaram Kevin Garnett e Ray Allen para jogar ao lado de Paul Pierce. O campeonato foi conquistado justamente sobre o Lakers de Bryant e Pau Gasol, ainda liderados por Phil Jackson, técnico dono de 11 anéis de campeão como treinador.

A liga ficou em compasso de espera pela revanche, mas ela não veio em 2009. Garnett se lesionou e o desfalcado Celtics perdeu a vaga na final para o Orlando Magic, que acabou derrotado pelo Lakers.

Image title

Em 2010, no entanto, o grande momento que todos esperavam veio. Celtics e Lakers, os dois últimos campeões, se encontraram para uma final épica decidida em 7 jogos. Ao fim, o Lakers de Bryant levou a melhor em seu ginásio, e deixou a franquia de Los Angeles a apenas um título de distância do rival: 17x16.

Nos últimos anos, o Lakers vem passando por processo de reconstrução desde a aposentadoria de Bryant, enquanto que o Celtics já está em processo mais avançado e foi o primeiro colocado do Leste na última temporada. A liga anseia pelo momento em que suas duas maiores franquias se encontrarão novamente na maior disputa possível pelo troféu da NBA. Lakers X Celtics é o grande clássico da NBA, que moldou gerações de fãs de basquete através das décadas.

Gostou da história e quer saber mais sobre essa rivalidade sensacional? A ESPN do Brasil exibe na próxima semana um especial de 5 horas sobre esse confronto com tanta história. ESPN FILMES 30 for 30: Celtics/Lakers vai ao ar no dia 21 de junho, a partir das 19h30. Imperdível!

ESPN FILMES 30 for 30: Celtics/Lakers

Transmissão: ESPN

Horário: 19h30

Dá um play e confira o que rola no nosso som!