Espalhe por Whatsapp

Simmonsverso: Ben Simmons alterou a ordem do universo ao converter uma bola de três?

Ricardo Romanelli
Ricardo Romanelli

Que Ben Simmons é um dos maiores jovens talentos da NBA, todos sabem muito bem. O australiano impacta o jogo de muitas maneiras em ambos os lados da quadra. Apesar disso, sempre existiu uma grande crítica sobre seu jogo: os arremessos. Desde que entrou na NBA, em 2016, Simmons não havia convertido nenhuma bola de três pontos, tendo tentado apenas algumas vezes arremessos fora do garrafão.

Por este motivo, foi com grande alegria que a torcida do Phildelphia 76ers viu seu jovem astro converter uma bola de três durante jogo de pré-temporada. Só que coisas estranhas começaram a acontecer desde então. Alguns jogadores e times passaram a fazer coisas muito distantes do que se esperava. Poderia este fato, tão raro e único, ter aberto uma fenda no tempo e nos transportado para um univeso paralelo? Segundo jogadores de uma prestigiada liga de Fantasy Basketball, foi exatamente isso que aconteceu, e agora estaríamos vivendo no "Simmonsverso 76". Quer provas?

Boban, McGee, Thompson e Robin Lopez converteram bola de 3

Image title

Boban Marjanovic, JaVale McGee, Tristan Thompson e Robin Lopez são alguns bons pivôs ao redor da liga, sempre muito úteis para seus respectivos times. Apesar disso, mesmo com a revolução dos três pontos na NBA, nunca nenhum deles (e todos já veteranos) teve cacoete para arremessar bolas de três (curiosamente, assim como Simmons). Após a bola de três do armador do Sixers, todos eles converteram ao menos uma bola de longa distância.

Dwight Howard voltou a ser ovacionado pela torcida do Lakers

Image title

O pivô Dwight Howard saiu muito queimado de Los Angeles após sua primeira passagem pelo Lakers, em 2013. Após brigas com Kobe Bryant e resistência em se encaixar na cultura da franquia, Howard assinou com o Houston Rockets após a temporada e sempre foi muito vaiado em suas visitas ao Staples Center com outras equipes. 

Em 2019-20, ele teve uma nova chance no time que havia recusado seis anos antes. E se você pensava que a torcida jamais o perdoaria, o Simmonsverso tratou de corrigir esta distorção e atualmente já vemos a torcida do Lakers torcer de maneira bastante enfática para o ex-All-Star, como se estivéssemos no começo da temporada 2012-13. 

Trae Young é o novo queridinho da NBA

Image title

O armador Trae Young, do Atlanta Hawks, entrou na NBA debaixo de muitas críticas. Muitos analistas torciam o nariz para ele no Draft de 2018, por sua pouca estatura e deficiências táticas demonstradas durante sua única temporad na NCAA. Para piorar, uma troca no dia do Draft fez com que ele e Luka Doncic, um dos jogadores mais populares das redes sociais, determinou que suas carreiras estivessem para sempre entrelaçadas e em processo de comparação. 

Mas após uma temporada de estreia que terminou em ascendente, Young começou seu segundo ano na liga com tudo e virou um dos jogadores mais comentados da primeira semana da NBA, vencendo o prêmio de melhor jogador do Leste neste período. É quase como se, pouco mais de um ano atrás, não houvessem tantas críticas a ele. É quase como se estivéssemos em outro universo, onde essas críticas nunca ocorreram. 

KAT agora tem "Mamba Mentality" 

Image title

Karl-Anthony Towns é um dos melhores talentos que a NBA já recebeu. O pivô do Minnesota Timberwolves é aquele tipo de talento que aparece uma vez a cada década, e seu jogo polido é reconhecido por todos. Apesar disso, sempre foi criticado por seu jogo "soft" e sem inspiração.

Mas KAT começou sua quinta temporada na liga irreconhecível. Com partidas monstruosas, registrou médias que lhe colocam na briga para MVP, ganhando o prêmio de melhor jogador do Oeste na primeira semana da temporada. O que causou esta mudança? O atleta passou a, finalmente, jogar com maior intensidade, quase com uma "Mamba Mentality", o estado mental eternizado por Kobe Bryant, que era o símbolo-mor de foco e concentração em quadra. Alguns achavam que apenas nascendo novo KAT poderia corrigir este problema, mas quem sabe uma mudança para outro universo possa ter ajudado. 

Mike Conley Jr esqueceu como se joga basquete

Image title

O armador Mike Conley Jr. sempre foi um símbolo de regularidade e basquete eficiente. Desde calouro, joga como se fosse um veterano, e liderou o Memphis Grizzlies a diversas boas campanhas, aparições em playoffs e uma final do Oeste. Após doze anos em Memphis, ele foi trocado nesta offseason para o Utah Jazz, e a expectativa era de que ele fosse a peça que faltava para destravar todo o potencial do talentoso elenco até então liderado por Donovan Mitchell. Muitos já cravavam o Jazz como candidato às Finais da NBA, mas aí veio o começo da temporada e Conley deixou todos perplexos.

O armador registrou apenas 7 pontos e 4 assistências de média nas quatro primeiras partidas da temporada, se tornando irreconhecível. Parece até o Mike Conley de outro mundo, ou será que é?

Phoenix Suns tem um time

Image title

Há alguns anos o Phoenix Suns tem sido um dos piores elencos da NBA, com quase nada dando certo. Problemas que passam por diretoria, comissão técnica e vestiário pareciam impedir que o time do Arizona pudesse sonhar com dias melhores.

Mas então, como se o mundo mudasse do dia para a noite, o Suns começou a temporada muito bem, vencendo grandes forças da liga como Los Angeles Clippers e Golden State Warriors em seus primeiros cinco jogos. De repente, o saco de pancadas do Oeste virou boxeador, tudo graças a uma bola de três na Philadelphia. 

É óbvio que isto tudo é uma grande brincadeira, e não estamos em outro universo (ou será que estamos?).

De qualquer forma, Ben Simmons é um grande jogador que joga muito basquete em qualquer universo, e em qualquer realidade seus adversários devem ter muito medo caso ele realmente comece a arremessar bolas de três, até pelos efeitos que parece ter causado no resto da liga. Aguardamos a próxima bola de longa distância do jovem astro do Sixers para ver quais reações em cadeia ele vai causar. 

Dá um play e confira o que rola no nosso som!